10 de agosto de 2010

Outono


OUTONO

Foi um amor

acima de tudo.

Angustiado,

mas era belo.

Porque também era eterno

porque vestiu carinhos

porque era alegre e triste

e se perdeu no abandono.

De mãos que buscavam

de olhos que diziam

de bocas insatisfeitas

no calor de um só momento.

Tudo é frio e cinzento

uma chuva pequenina

lava meu passado

e as folhas, levadas pelo vento

vão caindo lentamente... no

chão

em que caminho

é um outono de sensações,

desagregações de sonhos

pedaços do que senti

e no fim que se aproxima

restará outra vez

aquela amplidão imensa

o espaço sem limites

de sensações sem eco.

Eu te peço perdão, meu anjo

pela angústia que ficará

comigo!


(Glácia Daibert)


bem gente essa foi uma das poesias que eu postarei !

Bjks e até a próxima!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário